quinta-feira, 1 de maio de 2014

O Mito do Desenvolvimento Econômico

Em termos de nações, seria possível um capitalismo igualitário e humano? É claro que não! Se as coisas funcionassem assim, o maior problema do mundo, hoje, seria: de que maneira desenvolver a África? de que maneira melhorar as condições de vida do continente mais miserável do planeta? Mas a questão não é essa, as grandes potências estão preocupadas consigo mesmas, com a saúde de suas próprias economias, e as questões externas só lhes são importantes na medida de seus interesses.
Ao longo dos 250 anos que separam a Primeira Revolução Industrial dos dias de hoje, os países se sucederam na hierarquia capitalista, circulando entre o centro, a semiperiferia e a periferia, o que confere um caráter heterogêneo à formação do mercado mundial, como bem observou Wallerstein: “dentro da economia-mundo capitalista todos os estados não podem se ‘desenvolver’ simultaneamente por definição, já que o sistema funciona por ter núcleos desiguais e regiões periféricas”.
As economias desenvolvidas, porém, atingem a maturidade e, depois disso, não conseguem crescer mais do que 2 ou 3 por cento ao ano; as economias subdesenvolvidas, por sua vez, devido ao fato de serem subdesenvolvidas, conseguem taxas bem mais elevadas e, nos anos 2000, conseguiram um índice três vezes maior do que o observado na maior economia do mundo, os EUA. Devido a esse quadro, alguns economistas acreditam estar diante de uma mudança no “centro de poder do sistema”, e que um grupo de emergentes – Brasil, Rússia, Índia e, principalmente, China – conhecido como BRIC, desbancará os norte-americanos. Mais ainda: acredita-se que as rendas dos países pobres rapidamente alcançarão a dos países ricos, eliminando a situação de subdesenvolvimento econômico daqueles.
Entretanto, após a taxa média de crescimento do PIB dos mercados emergentes ter alcançado o pico de 8,7%, em 2007, despencou para 4% em 2013. A pergunta é: as economias periféricas possuem a capacidade de ter um crescimento rápido e duradouro o suficiente pra ascender ao mundo desenvolvido? ou isso é um mito?

[Referência: http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ In: Declínio dos Mercados Emergentes, publicado em 08/03/2014]

2 comentários:

  1. "Economias puxadas por commodities, como as da Rússia e Brasil, tendem a se distanciar das desenvolvidas assim que os preços das commodities começam a cair. Segundo o Banco Mundial, das 101 economias de renda média de 1960, apenas 13 se tornaram e ainda se conservavam como de alta renda em 2008: Cingapura, Coreia do Sul, Espanha, Grécia, Guiné Equatorial, Hong Kong, Ilhas Maurício, Irlanda, Israel, Japão, Portugal, Porto Rico, e Taiwan. Dessas 13, apenas a Guiné Equatorial é uma economia dominada por commodities" (Ruchir Sharma, diretor de mercados emergentes da Morgan Stanley investment Management).

    ResponderExcluir
  2. O título do post - O Mito do Desenvolvimento Econômico - é uma referência ao seminal livro do brasileiro Celso Furtado.

    ResponderExcluir